Publisher Theme
I’m a gamer, always have been.

Vingadores: Ultimato, uma satisfatória conclusão | Review

Tudo começou em Abril de 2012, quando ‘Os Vingadores’ estreou nos cinemas. Ninguém sabia o que esperar dele, que prometia unir, no mesmo filme, todos os heróis já apresentados em longas anteriores. O resultado foi um deleite tanto para os fãs antigos quanto os novos e eu lembro até hoje daquela cena que fez todos do cinema gritarem em uníssono.

maxresdefault-1-9350291-1629762
A

Seis anos se passaram e muita coisa mudou, com novos heróis (e vilões) sendo apresentados e o MCU se expandiu consideravelmente. Então, em Abril de 2018, essa emoção foi novamente trazida à tona em Guerra Infinita, terceiro filme que carregava o nome do icônico grupo de heróis. Dividido em três atos, ele nos fez rir, nos fez sentir raiva e nos fez chorar, pavimentando o caminho para a épica conclusão que foi Ultimato. E é dele que irei falar agora.

Vingadores: Ultimato, assim como seu antecessor, também pode ser facilmente dividido em três atos, e vou fazer o meu melhor para descrevê-los enquanto evito dar qualquer spoiler para os leitores. O primeiro ato começa não muito tempo depois do estalar de dedos do Titã Louco, mostrando os heróis – e o mundo – lidando com a perda de metade da vida do planeta. Sob o ponto de vista dos heróis que sobraram, nos é transmitida sua dor e seus arrependimentos, como todos estão de coração partido e buscam uma chance de desfazer o que Thanos fez, pois devem isso aos que se foram.

A partir daí, o filme segue uma direção diferente dos demais. Não há heróis a serem apresentados, nenhum poder ou motivação nova a serem estabelecidos e nenhum novo personagem a ser desenvolvido. Os irmãos Russo passaram 11 anos fazendo isso, e estavam tão cientes disso quanto deste ser o adeus definitivo dos personagens. O importante já foi estabelecidos, nós já conhecemos muito bem os Vingadores, e podemos simpatizar com eles em seu objetivo e entender o que os move a cumpri-lo, e nenhum tempo além do necessário é gasto compondo o plano para derrotar Thanos, já este não é o foco do filme, e sim nos permitir ver uma última vez, Homem de Ferro, Capitão América, Thor, Hulk… e o mundo que lhes foi construído, uma última vez.

Vingadores: ultimato, uma satisfatória conclusão | review

É inevitável se sentir nostálgico, ainda mais se você, assim como eu, estava ansioso por algo assim desde que assistiu a cena pós créditos de Homem de Ferro em 2008. Foi uma longa década, afinal, recheada de aventura, referências e frases que foram repetidas por milhares, personagens que alguns de nós pode ter esquecido e tudo isso junto traz uma sensação prazerosa de conclusão, como se fosse o dia de sua graduação na escola. É triste saber que esse é o fim, o último passo na jornada desses heróis que adoramos acompanhar, o término de uma fase em nossas vidas, mas também é, ao mesmo tempo, um motivo para se ficar novamente ansioso e eufórico com o futuro do MCU.

Vingadores: ultimato, uma satisfatória conclusão | review

As atuações estão incríveis, como não poderia ser diferente. Chris Evans, incorporando tão bem o herói que se tornou símbolo dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial, continua um Capitão América tão convincente que parece até que foi ele quem se tornou um super-soldado durante a Segunda Guerra , e não seu personagem. Robert Downey Jr., que parecia um pouco “automático” em Guerra Infinita, agora transmite todo o heroísmo e humanidade que Tony Stark escondia por trás de todo o sarcasmo e referências ao cinema. Rogers continua sendo o pilar central do grupo, sempre sabendo como manter a si mesmo, e os outros, de queixo erguido mesmo na pior das situações. Enquanto ele estiver de pé, todos estarão. Chris Hemsworth e seu Thor continuam sendo o alívio cômico do grupo enquanto ainda mantém a credibilidade de alguém digno e nobre o suficiente para ser um rei e um deus.


O restante do elenco também está impecável. A dor de Natasha Romanoff é silenciosa porém visível junto com seu sentimento de ter fracassado, que são transmitidos de uma forma sincera de doer o coração pela belíssima Scarlett Johansson. Em sua melhor interpretação na franquia, Jeremy Renner dá vida a um Gavião Arqueiro desesperado e Mark Ruffalo deve ter se divertido muito interpretando Hulk, que caso seja descrito mais aqui, se tornará um spoiler.

Apesar de já ter a função de concluir a saga, Vingadores:Ultimato também é o degrau para muitos outros começos. O filme deixa a porta aberta para muitas aventuras ainda não vistas, e a aquisição da Fox por parte da Disney não faz nada senão tornar isso mais fácil. O MCU está pronto para novos personagens, e , depois de Ultimato, seus fãs também estarão.

Entretanto, devo avisá-los que o Hype vai acabar sendo seu pior inimigo.
O último capítulo tem a tarefa árdua de corresponder a anos de expectativa, além de ter que carregar nas costas o hype gerado em seu favor com o final de Guerra Infinita no ano anterior. Ter expectativas demais para ele pode acabar se voltando contra você, principalmente se a maioria delas não for correspondida.
De todo jeito, tentar adivinhar o rumo que a história irá tomar é um “serviço de corno” e só aumenta a chance de decepção e choque após seu término.

Em conclusão, recomendo e muito Vingadores: Ultimato. Não é apenas um filme maravilhoso, com uma trilha sonora incrível e momentos que vão te fazer rir, gritar e talvez até chorar, como também é para os fãs dos quadrinhos o que Círculo de Fogo é para os fãs de Mecha: uma carta de amor, feita de quem ama para quem quer impressionar.

Vingadores: ultimato, uma satisfatória conclusão | review

Não sei que rumo a Marvel irá tomar com seu universo cinematográfico daqui em diante, mas aguardo ansiosamente pelo próximo filme.

Comments are closed.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More