• Início
  • Artigos
  • Live-actions de Shingeki no Kyojin são tão ruins como falam? | Review
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.
| Roberto Taroco | ,

Live-actions de Shingeki no Kyojin são tão ruins como falam? | Review

Não é segredo para ninguém que adaptações em live-action causam um certo estranhamento ao público fã da obra original (e com razão, na maioria dos casos). E com a versão cinematográfica de Shingeki no Kyojin não acontece diferente. Condensar uma obra que possui tantos capítulos em dois filmes de aproximadamente uma hora e meia é problemático e pode deixar a desejar no resultado. Porém, isso não é tão catastrófico nesse caso em específico.

Advertisement

A história se passa em uma época pós-apocalíptica em que devido à uma guerra com os Titãs a humanidade regrediu à tal ponto que foi necessária a divisão da sociedade em castas e a sobrevivência se tornou uma luta. Muros gigantescos separam as camadas da cidade, assim como também separam a humanidade da ameaça dos Titãs. Nós acompanhamos um pedaço da vida de Eren Jaeger, que sonha em explorar o mundo fora desses muros. A trama começa quando um dos Titãs derruba uma parte da muralha, permitindo a entrada dos outros monstros e a matança de parte do que restou dessa humanidade. Anos após o ocorrido, Eren entra para um grupo que foi montado com o objetivo de tentar tapar o buraco na muralha e conter a ameaça dos Titãs.

Claro que nos filmes certos temas acabando perdendo profundidade para poderem se encaixar no tempo de tela (como por exemplo a origem dos Titãs e o esquema político que se beneficia do medo da população para se manter no poder), mas é compreensível. Tais temas vão sendo explicados pelos personagens de uma forma mais superficial, porém não é algo fora do que estamos acostumados a ver (inclusive nos animes). As cenas de luta nos prendem mais pela maneira que a humanidade desenvolveu para batalhar com a ameaça do que por qualquer outra razão. No final, o desfecho da história acaba sendo um pouco previsível, porém funciona perfeitamente dentro do que nos foi apresentado durante os longas.

A mudança dos personagens em relação aos originais é o maior problema da adaptação. Apesar das atuações serem bem fluídas (e levando em consideração que a atuação oriental é diferente da nossa), certos personagens são bem esquecíveis (principalmente os criados originalmente para o filme) e se distanciam bastante da sua contraparte do anime e mangá. Outros, por motivos de fechamento de história, acabam sendo fundidos com outros personagens em outra figura. Todavia, basta lembrarmos que é uma adaptação e é possível fazer vista grossa para tal.

O ponto alto (tendo vista o orçamento que live-actions possuem) fica com os Titãs e o trabalho em computação gráfica que os envolve. Não chega perto dos CGIs dos grandes blockbusters, mas é visível que os Titãs foram feitos com um certo carinho utilizando o dinheiro disponível. Eles são bizarros, incomodam e nos deixam interessados justamente pela estranheza e pelo gore apresentado. A voz e efeitos sonoros desses monstros incomodam e isso é outro aspecto positivo. As cenas de luta envolvendo alguns Titãs em específico lembram até as de Kaijuus ou de Megazords em ação, pela utilização do tamanho, do cenário e a forma como batalham (de forma bem menos cômica que os dois citados, obviamente).

Como adaptação, “Attack on Titan” e sua continuação “End of The World” podem ser consideradas medianas, ou até mesmo fracas para o público que conhece o material original. A sensação ao assistir é parecida com a de ler algum mangá one-shot que faz parte de algo muito mais complexo e denso. No entanto, são uma introdução excelente para esse universo do qual fazem parte e conseguem tranquilamente despertar o interesse do público em conhecer a fonte (como é o caso do autor desta crítica).

Vale a pena conferir o filme, que terá sua segunda parte exibida durante o dia 22/05 na Anime Night do Cinemark. Confira as sessões disponíveis em:

https://www.cinemark.com.br/filme/anime-night-attack-on-titan-fim-do-mundo

Ficha Técnica

Títulos: Attack on Titan e Attack on Titan 2: End of The World

Lançamento: 2015

Direção: Shinji Higuchi

Duração: 98 minutos e 87 minutos

1 Real a Hora

Encontre Sua Trilha No Mundo Nerd!
1 Real a Hora - 2020 | Desenvolvido por Vedrak | Mantido online e operante em parceria com a Nixem Cloud