| Bruno Tresbach | | Deixe um comentário

Conheça os animes e mangás brasileiros

Você já se questionou como a cultura japonesa é presente em nosso país? Se sim, vem comigo que hoje eu vou te falar sobre a maior diversidade de cultura japonesa fora do Japão.

Que o Brasil é um grande consumidor de cultura oriental como mangas, animes e até mesmo hentais todo mundo já sabe, mas o que muita gente não sabe é que o Brasil é o maior produtor de animes fora do Japão e além disso temos a maior comunidade de nikkeis (é uma denominação em língua japonesa para os descendentes de japoneses nascidos fora do Japão) são mais de 1,5 milhão de pessoas.

Além de consumir muito da cultura oriental, também oferecemos alguns conteúdos. E mesmo que o número seja pequeno, nós provamos que temos um grande potencial nesses projetos.

Os projetos normalmente são independentes e muitas vezes não são 100% de cultura nacional. Por um exemplo o light novel, No Game, no Life do brasileiro Thiago Furukawa Lucas.

Furukawa é o primeiro artista estrangeiro de mangá a ser reconhecido no Japão. O enredo criado por ele conta a história Sora e Shiro, habitantes de um mundo no futuro onde os jogos ditam as regras da sociedade. Esses dois gamers até mesmo consideram o mundo real como um jogo com péssimos gráficos.

Um dia, eles foram acordados por um menino chamado “Deus” e entraram em um mundo alternativo. Lá, Deus proíbe a guerra e declara que é um mundo em que tudo é determinado pelos jogos, e até as fronteiras nacionais. Outras raças trouxeram de volta os humanos à única cidade remanescente.

Confira abaixo um trailer do anime:

Trailer No Game, No Life.

Diferenças entre cartoons e animes

Muita gente costuma confundir animes com cartoons pela sua ampla similaridade de gráficos, os famosos e tradicionais “storyboards”. Mas afinal de contas qual são suas diferenças?

Basicamente os cartoons são feitos para um público mais infantil e os animes variam muito de classificação indicativa, pois tem animes que são indicados para Adolescentes à partir dos 14 anos e vão até adultos de 18 anos.

Embora ambos sejam desenhos animados, o anime costuma apresentar características visuais mais distintas. Afinal, uma das principais diferenças que podemos notar é que o anime segue um roteiro amplo e é dividido em vários episódios, não quer dizer que cartoons não sejam amplos, mas os animes tem uma extensão e seriedade notáveis.

Outra diferença entre os animes e os cartoons são os preços, enquanto um episódio de Pernalonga pode chegar a custa 450 mil dólares, um episódio de Death Note custa em média 115 mil dólares.

Animes Produzidos no Brasil

1. Holy Avenger

Esse anime é uma adaptação de um mangá com o mesmo nome. O projeto busca recursos desde 2004, ou seja, a pelo menos 15 anos, mas até agora ele não foi para frente.

Mesmo tendo uma abertura rejeitada disponível no Youtube, e dublagens prontas, inclusive com a participação do dublador Guilherme Briggs.(dublador do Buzz Lightyear)

2. Magma

Um ótimo exemplo de produção nacional de anime é o Magma. Ele foi criado pelo brasileiro Robson Menezes do Santos.

O projeto Magma surgiu em meados de 2000, quando Robson tinha pouca experiência em animação, trabalhando mais com comerciais para a televisão e vídeos institucionais.

Contudo, sua paixão pelo estilo anime já era bem mais longa. Ele começou apenas fazendo alguns rabiscos e criando um argumento geral. 

No início era tudo com ferramentas mais tradicionais, como desenhar no papel, escanear e colorir manualmente. Mas hoje é feito pelo computador.

Animes que tem Personagens brasileiros.

1. Cavaleiros do Zodíaco

Para quem se lembra deste anime que fez muito sucesso no Brasil nos anos 90, vai se lembrar do personagem Aldebaran de Touro que é considerado um dos personagens mais fortes dos cavaleiros de ouro.

Ele recebeu suas armaduras em terras tupiniquins, ele é verdadeiramente um patriota assim se dizendo. Há uma teoria de que ele ficou com a segunda casa do santuário por que somos um dos maiores produtores e consumidores de carne bovina.

2. Pokémon

Se você é um verdadeiro fã de Pokémon, vai lembrar quando lançou o primeiro filme de Pokémon nos cinemas, seja pelos cards promocionais ou pela aventura de Ash e seus amigos, o filme arrastou uma multidão de crianças para os cinemas.

Mas o que certamente chamou a atenção de muita gente foi o fato do tão glorificado Mewtwo ter sido criado à partir do material genético de uma criaturinha encontrada na Floresta Amazônica.

Mew. Logicamente, a Amazônia não se restringe somente às terras brasileiras, mas, certamente, era no Brasil que os produtores estavam pensando quando inventaram essa história!

3. Michiko & Hatchin

Michiko e Hatchin é um anime claramente problemático cheio de clichês de quem não conhece o Brasil. Esse anime ele é inspirado no Brasil, inclusive aparecendo várias cidades como Rio de Janeiro, Olinda e Recife.

A história conta que Michiko é uma mulher selvagem que consegue escapar de uma prisão de segurança máxima após inúmeras tentativas. Após isso ela resgata Hana dos seus pais adotivos, pois ela diz conhecer seu pai biológico.

Apesar de se passar em um país fictício, Michiko e Hatchin faz inúmeras referências ao Brasil, por ter letreiros em português, paisagens, trilha sonora e até a aparência da moeda. Isso porque a diretora Sayo Yamamoto e os produtores visitaram algumas cidades brasileiras em busca de inspiração.

4. Super Onze

Inazuma Eleven ou mais conhecido aqui no Brasil como Super Onze, tem um episódio onde há uma seleção brasileira, em que disputa a semifinal com o Japão. Pela imagem, dá pra ver claramente em quem o capitão foi inspirado.

seleção brasileira super onze

Mac Roniejo é capitão do time “O Reino” foi cobaia de um programa que controlava a mente das pessoas criado pelo vilão Garshield, por isso não podia jogar seu futebol de verdade, mas depois ele ficou livre desse controle mental e pode fazer seus gols e sambar pra comemorar. É mais um personagem extrovertido que ama futebol. Destaque para sua técnica especial: “Strike Samba”.

1 Real a Hora

Encontre Sua Trilha No Mundo Nerd!
1 Real a Hora - 2020 | Desenvolvido por Vedrak | Mantido online e operante em parceria com a Nixem Cloud