Anúncio Publicitário

I Am Not Okay With This – Só mais uma série adolescente? | Review

Mais conhecido pelo seu trabalho em “The End of the F***ing World“, Jonathan Entwistle nos apresenta sua nova obra em parceria com a Netflix, I Am Not Okay With This, que é a adaptação de uma HQ de mesmo nome e acompanha uma fase estranha e conturbada da vida da jovem chamada Sydney Novak.

A premissa também envolve o conhecido clichê da jovem personagem principal se descobrindo com seus novos poderes aparentemente sobrenaturais, e é claro que isso pode desinteressar a quem já está cansado desse tipo de história, mas o que pretendo abordar é se mesmo em meio a essa onda de histórias com uma vibe e premissa parecidas, I Am Not Okay With This pode trazer algo de interessante.

Sendo uma série pequena, ela não se prende em formatos normalmente vistos de por exemplo cinquenta minutos por episódio, nos entregando cerca de vinte e cinco minutos no máximo a cada episódio, o que faz a história não ficar presa ou arrastada além contada de uma maneira objetiva e eficaz. O ritmo que não desanda, obviamente não é só um mérito da duração da série, pois o diretor e a produção (Shawn Levy, do qual trabalhou em Stranger Things) que estão familiarizados com os temas e abordagens que pretende executar, fazem isso de maneira muito segura, a atmosfera e a vibe da obra são algo que Jonathan Entwistle evidentemente sabe fazer.

I Am Not Okay With This
Sydney e sua melhor amiga Dina interpretada por Sofia Bryant

A protagonista Sydney é interpretada por Sophia Lillis que vem de seu último trabalho, um tanto morno, em Maria e João. Mas aqui com um roteiro bem mais articulado, a atriz entrega com verdade sua personagem até nas menores nuances exigidas. Sydney é uma personagem complexa, e a entrega de Sophia no papel é a prova de que a atriz ainda pode chegar muito longe.

Wyatt Oleff também é faz um papel de destaque na série, Stanley Barber, personagem com nome quase semelhante ao seu último grande papel em It: A Coisa e It: A Coisa Capítulo 2. Oleff também entrega seu personagem de maneira segura e cativante, mesmo sem nuances complexas como a de Sydney, performance é eficaz e verdadeira.

As questões abordadas no roteiro com a mescla de mistério sobrenatural com problemas pessoais são, mais uma vez, com certeza algo já visto nesse tipo de mídia, porém, a autenticidade do diretor é algo muito interessante de se acompanhar.

I Am Not Okay With This
Sydney e sua mãe interpretada por Kathleen Rose Perkins .

A trilha sonora é muito bem utilizada e condizente, a montagem é inteligente e direta, a fotografia é simples e sempre engloba boa parte do ambiente com seus personagens no centro, tudo estilizado para passar uma atmosfera jovial, mas ainda sim, muito autoral.

Com classificação indicativa de 16 anos, a série pode enganar por boa parte de sua duração por conta da narrativa que mesmo tocando em assuntos delicados, não chega ao ponto de chocar ou pesar para alguns, porém ainda sim é intensa e forte da sua própria maneira.


I Am Not Okay With This é uma série que em meio a um clichê conhecido, tem seu valor, sua autoralidade e sua própria identidade, e mesmo que não agrade totalmente alguém que já está enjoado desses temas, é uma história que não é só muito bem contada, mas que também vale a pena contar.

⭐⭐⭐⭐

Ótima