Usuários testam algoritmo do Facebook com memes "sutis" sobre o 11 de setembro

0

Quem usa o Facebook com uma certa frequência possivelmente já se deparou com situações curiosas causadas por seus algoritmos. Desde banimentos (as famosas zuckadas) difíceis de explicar a situações onde espanta a facilidade com que o algoritmo reconhece certas palavras sensíveis em imagens, são comuns as situações onde o sistema automático da rede social é implacável para remover qualquer coisa que pareça inapropriada. Essa rapidez, no entanto, leva a algumas situações inusitadas.

Um bom exemplo disso se deu em 2015, quando um usuário postou uma foto onde um pato passa em frente a uma fogueira, causando a impressão de que o animal estava em chamas. A foto foi repostada inúmeras vezes no Facebook e acabava sempre marcada como inapropriada por conter conteúdo violento. Veja: (Via Facebook)

Agora, os usuários estão testando os limites do algoritmo da rede social mais uma vez, dessa vez com imagens que remontam sutilmente (ou não) ao atentado às Torres Gêmeas, o 11 de setembro. E embora isso pareça ser algo mais compreensível quanto ao motivo de ser considerado ofensivo, as imagens censuradas surpreendem. Veja alguns exemplos que separamos. Clicando nos links na legenda você pode conferir o post original censurado pelo Facebook.

70266555 948519588851126 7873847901762355200 n
A imagem postada por Sey Fuhsi na rede social pode parecer apenas ícones de aplicativo, mas não para o Facebook
70625142 540329910108487 3925256193332740096 n
Kyle Higashikata postou uma cena comum na infância de muitos. Talvez não na do Zuckerberg
71186893 2558731434188664 2786282260012204032 n
Talvez Erick Lome queria apenas recomendar bons filmes. Não saberemos.
70845468 946308232368920 5695659541153185792 n
O usuário Nicholas Tumadre compartilhou sobre a experiência de ter gêmeos, mas o Facebook não compreendeu.
70883474 683833472101306 2397237551040561152 n
A página Perritos con frases inspiradoras também teve problemas ao compartilhar esses cachorros bem fofos

Bom, certamente foram imagens fortíssimas. Temos que agradecer ao Facebook por sempre nos proteger contra essas brincadeiras super ofensivas.