Anúncio Publicitário

O despertar de Rick Grimes para a raiz do problema em The Walking Dead

Aviso: Essa matéria contém spoilers do episódio 9 da 7ª temporada.

The Walking Dead voltou e, ao invés de sanar, aumentou a ansiedade da maioria dos fãs. Isso porque quem acompanha os quadrinhos sabe o que está por vir. A guerra entre os Salvadores e os demais grupos se aproxima.

Logo na introdução do episódio, podemos perceber coisas interessantes. Padre Gabriel estava responsável por fazer a vigília noturna, mas deixa seu posto, e, na sala de mantimentos (antes sob os cuidados de Olívia), recolhe comida e as poucas armas que restam. Percebemos que ele planeja algo importante, mas já vamos chegar nisso. O Padre derruba a Bíblia Sagrada e deixa Alexandria.

Em outra cena, somos levados à sala de Gregory, onde Rick e o resto do grupo tenta convencê-lo a tomar uma medida contra os Salvadores. Para isso, eles precisam das armas e do povo de Hilltop. Nesse ponto, é compreensível que Gregory negue. Ele tem medo, assim como os outros, e Rick já prometeu (e falhou) anteriormente sobre a mesma solução. Na saída, os moradores de Hilltop estão convictos: “nós queremos ajudar”.  Com isso e a ajuda de Jesus, Rick ganha um pouco mais de confiança. E é aí que Jesus introduz Ezekiel – cena que vimos na promo passada – e todos se dirigem ao Reino.

Lá, sabemos que Richard, subordinado do Rei, um dos poucos que têm conhecimento sobre o acordo do Reino com os Salvadores, quer o mesmo que o grupo de Alexandria, acabar com a raiz do problema. Ezekiel já perdeu muitos dos seus e quer encontrar outra abordagem. Algo menos violento. O que pode ser importante, considerando mais uma vez a HQ, onde Negan tem um papel chave mais para frente. Ao mesmo tempo em que a série remete a muitos pontos parecidos com os quadrinhos, temos que ter em mente que é um universo diferente na TV. Michonne não vai ser o par amoroso de Ezekiel. Do contrário, ele parece ter uma afeição muito grande por Carol (que continua aos arredores do Reino) e Daryl é deixado lá para receber proteção e tentar convencer de outra forma o Rei a se juntar à causa de Alexandria.

Abrindo um parêntese interessante, algo que chama a atenção nesse episódio é a cena em que Ezekiel conta uma história para o irmão de Benjamin dormir. Ele faz menção a uma música chamada Free At Last e também a algo chamado “negro spiritual”. Esse é um gênero musical de raiz norte americana, inicialmente interpretado por escravos negros. É símbolo da resistência negra e de função política. Essa representatividade dentro da mídia popular é importante e gratificante.

Voltando à série, Rick e o grupo encontram uma armadilha de explosivos preparada em um cabo de aço feita para acabar com uma horda inteira de walkers. Eles a desarmam e recolhem o máximo de recursos possível. E assim se segue uma das melhores cenas da série (na humilde opinião de quem vos fala) e Rick diz que eles podem precisar desses walkers mais tarde.

Em Alexandria, Rick descobre depois de um encontro com os homens de Negan que Padre Gabriel sumiu com os mantimentos. Eles encontram uma mensagem no diário de Olívia: Barcos. A questão é como Padre Gabriel sabia que eles estiveram lá? E é aí que o encontro de Rick com outro grupo mais a frente faz sentido. Eles são pegos, Rick sorri e o episódio termina. Em uma notícia aqui para o site, descobrimos que um outro grupo de sobreviventes seria introduzido pela própria série. É muito cedo para os Sussurradores. O que nos leva às seguintes perguntas: a pessoa que observava Rick e Aaron nos barcos fazia parte desse grupo? Eles tentaram contato com o Padre Gabriel e por isso ele levou a comida e as armas e atraiu Rick e os outros para o mesmo lugar? Rick pareceu satisfeito no final porque encontrou um batalhão inteiro, justamente o que ele precisava. Com a ajuda deles, poderiam derrotar Negan e os Salvadores?

O que sabemos é que nosso líder realmente não decepciona. Rick finalmente acordou e, quando isso acontece, podemos esperar a vitória garantida do pequeno grupo de Atlanta. É como Michonne disse: “Somos aqueles que sobrevivem”.