Anúncio Publicitário

“Manhunt” e a polêmica sobre jogos violentos

Manhunt é um jogo desenvolvido pela Rockstar North e publicado pela Rockstar Games, foi lançado em 2003 para Playstation 2 e em 2004 para PC e Xbox.

O protagonista “James Earl Cash”, é um assassino que esteve por 3 anos no famigerado “corredor da morte”, por isso foi julgado e sentenciado à morte. Na noite que ele iria ser executado, os guardas responsáveis por ele são subornados e ao invés de aplicarem a injeção letal, dão sedativos para James. Depois de certo tempo, James acorda e ouve a voz de um homem vindo de uma caixa de som, essa voz é de Lionel Starkweather, um diretor de filmes no estilo snuff (são filmes que mostram execuções reais de uma ou mais pessoas, sem o uso de efeitos especiais) que promete a James liberdade caso ele consiga sobreviver a um jogo doentio.

James é deixado em uma zona decadente e abandonada de Carcer City e precisa matar membros de gangs contratadas por Lionel para usar nas cenas de seus filmes.

Depois desse resumo do jogo, eu nem preciso dizer como isso foi polêmico quando lançado. A Rockstar recebeu centenas de processos de pais que entravam no quarto e viam as cenas do jogo que seus filhos estavam jogando, inclusive teve o caso sério da morte de um menino que tentaram culpar o jogo (você pode conferir a história completa clicando aqui).

Não é novidade que jogos de teor violento são os mais comprados e jogados, justamente por essa polêmica em volta deles, mas até quando isso é algo bom? Tecnicamente, jogos violentos são 8 ou 80 para suas empresas, ou seja, eles vão ganhar muito dinheiro ou vão perder tudo que tem para pagar as indenizações.

Em nosso país a venda de jogos classificados pela PEGI (sigla para Pan-European Game Information, que é a empresa responsável por classificar a idade mínima para os jogos) como +18, são vendidos livremente sem nenhum tipo de restrição, infelizmente isso prejudica quem realmente tem idade para jogar e uma prova disso é Manhunt 3, um jogo que talvez nunca veremos a “cara”, pois quando a Rockstar lançou os anteriores, muitos menores de idade compraram os jogos e assim começou a “rebelião” de pais crucificando a empresa pelo conteúdo de seus jogos e isso é o maior exemplo de hipocrisia. Que tipo de pais não olham o que seus filhos compram ou até mesmo o que compram para seus filhos? Mas para a tristeza dos fãs da franquia, nós pagamos o preço dessa irresponsabilidade.

A violência de Manhunt é algo inenarrável e talvez por isso ganhou uma legião de fãs, assim como GTA e até mesmo Max Payne. Jogos desse gênero, normalmente têm suas histórias e personagens ignorados por pseudos críticos que amam dizer que são apenas violência gratuita, mas mal sabem eles o quanto GTA faz uma crítica dura sobre alguns comportamentos de gangs e até mesmo de policiais, do mesmo jeito que Max Payne mostra a dor de perder sua família e uma vida praticamente perfeita por conta das drogas e até mesmo Manhunt mostra esse lado obscuro da sétima arte. Tudo é uma questão de percepção, se você quer encontrar coisas negativas em jogos violentos, você vai encontrar, então tentem buscar uma análise completa do material antes de sair espalhando o que a televisão ou a internet dizem sobre esses jogos.

Eu indico para vocês que têm idade para jogar, Manhunt custa R$ 15 na Steam e aviso que se você sofre com isso de “estômago fraco” pra violência, nem compre. Como citei logo no início, o jogo é de 2003 então não esperem gráficos como os da nova geração. Se você é fã de trilha sonora de jogos, é só clicar aqui e ouvir um compilado com todas as músicas presentes no jogo.