Desde 2008, quando fomos apresentados ao monstro de Cloverfield, ficamos com uma certa curiosidade sobre sua origem: como ele foi parar em Nova York? De onde ele surgiu? Felizmente a Netflix nos surpreendeu lançando The Cloverfield Paradox, terceiro longa da franquia, no dia 5 de Fevereiro logo após o soltarem o teaser no Super Bowl.

Diferente de seus antecessores, o novo longa da franquia se passa no espaço e sua trama é até bem simples: enquanto a Terra está com falta de energia, um grupo de cientistas vai para o espaço a bordo do acelerador de partículas Shepard com o objetivo de gerar energia ilimitada para o planeta e, obviamente, tudo dá errado. Quando foi anunciado que esse filme não se passaria na Terra, eu fiquei com receio de ser uma trama genérica de SciFi, com uma forma de vida estranha na nave que acaba caindo no nosso planeta, cresce e vira o monstro que conhecemos. Felizmente, fui surpreendido com uma trama que envolve dimensões paralelas e explica de onde vieram o monstro e as naves que aparecem no segundo longa da franquia. Em suma a trama é boa e o longa tem um bom plot, porém, o seu roteiro não é dos melhores.

Resultado de imagem para the cloverfield paradox

Repleto de furos e frases forçadas por parte dos personagens, o roteiro de The Cloverfield Paradox é algo bem superficial e manjado que parece não confiar na inteligência do leitor, dando uma forma de explicar tudo logo nos minutos iniciais do longa (inclusive, colocando uma entrevista de um cara explicando tudo que poderia acontecer com a ligação do acelerador de partículas enquanto eles estão acionando o acelerador, e o pior, assistindo a entrevista- o que poderia dar de errado?). Além disso, toda a sequência de consequências dos acontecimentos poderia ter sido melhor explorada – não dizendo que não gostei, mas podiam dar sentido ao cara perder o braço e ver ele se mexendo sozinho pela nave. A atuação é outro ponto negativo, não há carisma por parte dos atores e eles nem fazem esforço para isso. O destaque mesmo vai para Gugu Mbatha-Raw, que interpreta Hamilton, e para o seu arco no filme. Outro ponto positivo é a troca de perspectiva muito bem feita durante o longa: enquanto acompanhamos a tensão de Hamilton na estação espacial, vemos seu marido na Terra fugindo do ataque em Nova York e seu desespero pela situação da esposa.

Imagem relacionada

No fim das contas, o filme cumpre o seu papel principal de forma excelente, que é explicar de onde vieram os monstros vistos nos filmes anteriores. Inclusive, The Cloverfield Paradox prova que J.J. Abrams é um gênio, e não tem outra palavra para descrevê-lo. Vamos lá, o cara criou esse universo cinematográfico incrível onde cada filme é individual e se complementa: o primeiro é uma found footage de sobrevivência, o segundo um terror psicológico bem desenvolvido e agora uma ficção científica. Isso torna cada filme da franquia único, inclusive esse, que pode ser um filme fraco mas possui uma premissa brilhante: criar um multiverso.

The Cloverfield Paradox pode não agradar todos os telespectadores, mas é um bom filme para passar o tempo e a cena final te deixa com um gostinho de quero mais. Mesmo com todos os defeitos, é um hora e meia que vale a pena assistir.

José Victor
Segue ae!

José Victor

Redator Chefe em 1 Real a Hora
Meu sonho é me tornar um cavaleiro Jedi mas, enquanto isso não acontece, estudo odontologia e escrevo uns textos aqui pro site.
José Victor
Segue ae!