Se lhe perguntarem qual o tipo de sangue mais raro você provavelmente vai dizer “O-“, certo? Pois saiba que esse sangue não é tão raro assim.

É vero que o sangue desse tipo é de extrema importância porque pode ser doado para qualquer pessoa da tabela sanguínea conhecida (A, B, AB e O ou ABO), seja o sangue com fator Rh (vou explicar mais a frente) positivo ou negativo, mas então, como é possível existir um sangue mais raro que esse?

Vamos explicar algumas coisas sobre a tipagem sanguínea.

Você já se perguntou porque o A+ não pode ser doado para uma pessoa A-? Ou B+ > B-?
É simples, complicado na realidade, mas vamos explicar de uma forma simples.
Existem 35 tipos sanguíneos classificados na tabela ABO, tendo ainda mais de 340 tipos de Antígenos na tabela Rh (Rh é o fator que determina se seu sangue é + ou -).

ABO e Rh são dois grupos que definem a compatibilidade sanguínea, sendo ABO o principal e depois subdivididos em Rh.

O sistema ABO foi descoberto por Karl Landsteiner, um cientista austríaco. Por volta de 1900, ele separou as hemácias do plasma sanguíneo e percebeu a aglutinação em alguns casos e a diluição em outros.

Antes de prosseguirmos, uma explicação rápida sobre o plasma sanguíneo coagulado, ou “Soro”.

“Soro” se refere ao plasma sanguíneo no qual os fatores de coagulação (como a fibrina) foram removidos naturalmente. O soro sanguíneo é obtido através da coagulação do sangue. Significa que o soro sanguíneo não possui os fatores de coagulação do sangue total, que foram consumidos pela coagulação das hemácias. Normalmente são utilizados para testes sorológicos e pesquisa de anticorpos.

A compatibilidade do plasma é diferente da compatibilidade dos glóbulos vermelhos (hemácias). Com isso, indivíduos podem receber plasma sanguíneo de pessoas que não fazem parte do seu grupo de tipos sanguíneos compatíveis.

Tabela de compatibilidade plasmática

Transfusões de plasma são comumente realizadas para substituir ou auxiliar o plasma já existente do indivíduo na fase de coagulação.

Imagem relacionada
O plasma sanguíneo corresponde a 55% do líquido presente no corpo humano, podendo variar dependendo da taxa de hemácias no sangue

Continuando, ele classificou os tipos sanguíneos em A, B e O. A classificação por fatores positivos e negativos só veio muito tempo depois, ficando classificados, atualmente, como ABO e subdivididos em fator Rh+ e Rh-.

A designação “Rh” é uma abreviatura do nome do macaco “Rhesus”, no qual os cientistas Landsteiner e Wiener identificaram pela primeira vez a presença do antígeno que denominaram “fator Rh”.

Este sistema de grupos foi descoberto em 1937, através de testes realizados em macacos do gênero Rhesus. Eles observaram que o soro de coelhos imunizados com hemácias dos macacos do gênero Rhesus aglutinava (reunia-se), formando pequenos aglomerados.

Somente em 1940, ao associarem a eritroblastose fetal — doença na qual a mãe e o bebê possuem incompatibilidade de Rh — com a pesquisa anteriormente feita, os pesquisadores perceberam que o Rh tratava-se de um sistema. Então, divulgaram o resultado do teste de hemaglutinação, nos quais 85% das diferentes amostras de sangue humano aglutinaram ao serem misturadas com o soro contendo anti-Rh.

No entanto, não ocorre naturalmente de uma ser humano nascer com os anticorpos Anti-D em seu plasma, a não ser que o sangue Rh+ tenha sido introduzido anteriormente em seu organismo. Como na gravidez.

Simplificando o fator Rh

Durante o pré-natal, o obstetra solicita diversos exames, entre eles o de tipagem sanguínea e o fator Rh da mãe e do pai, assim é possível descobrir se há ou não riscos de incompatibilidade entre o sangue da mãe e do feto.

Esta doença surge quando uma mãe Rh- gesta um filho Rh+ pela segunda vez. Ela só se manifesta na segunda gestação, pois a mãe foi apenas sensibilizada na primeira.

O tipo sanguíneo O (Inicialmente denominado zero) possui anticorpos A e B, por isso o O- pode doar para todos, mas em contrapartida, só pode receber de seu grupo. Já o AB+ pode receber de todos, porém só podem doar para seu grupo.

Vale lembrar que compatibilidade plasmática, Rh e sanguínea são diferentes umas das outras.

Tabela de compatibilidade sanguínea

Como já mencionamos, existem 33 tipos sanguíneos, mas não falamos sobre isso porque a maioria das pessoa tem o antígeno Vel, ele é o grupo sanguíneo com a maior taxa de prevalência.

Tipo: “Matheus, seu sangue é A+Vel, parabéns, você faz parte dos 99,9% da população com esse fator em seu sangue”

Então ao invés de ficarmos repetindo o óbvio, vamos focar nos raros.

Pessoas que tem o fator negativo do antígeno, ou seja, não produzem o anticorpo naturalmente (Anti-Vel), podem morrer em poucas horas caso recebam uma transfusão de sangue com fator Vel+. Apesar da raridade, felizmente, ao longo dos anos, os doadores identificados com esse antígeno geraram um estoque suficiente que pode ser encontrado em qualquer parte do mundo.

Temos os raros e o “Rharo” (Me matem, por favor)

Após os oito tipos de sangue comuns, temos aqueles que se destacam. Algo como 160 dos 342 antígenos do grupo sanguíneo são de alta prevalência, o que significa que a maioria das pessoas os tem em seus glóbulos vermelhos. Se você não tem um antígeno que 99 por cento das pessoas têm, tome cuidado para não ser sequestrado por um traficante de órgãos.

Esse antígeno (seja positivo ou negativo) é uma barreira que recobre as hemácias, como uma proteção. Ela avisa aos anticorpos que fazem parte daquele sistema, sendo assim, os anticorpos grudam na parede do antígeno para os proteger de infecções, e elas podem passear livremente pelo seu ambiente de trabalho.

De forma leiga, quando uma pessoa não tem esse antígeno, significa que ela pode doar para qualquer pessoa, independente da compatibilidade, pois suas hemácias serão consideradas perdidas e serão revestidas com o Rh dominante do sistema receptor ao invés de destruídas.

“É o sangue dourado”

Thierry Peyrard,  atual Diretor do Laboratório Nacional de Referência de Imuno-Hematologia em Paris.

Esse sistema também é chamado de Rh Null (Rh Nulo) e é tão cobiçado pelos cientistas graças ao fato de existirem apenas 43 registros desse tipo sanguíneo no mundo e apenas 9 doadores ativos. Seu sangue O- é legal, mas não é tudo isso, desculpe.

Pra você ter uma ideia, as pessoas com fator Rh nulo, tem sua localização e identidade escondidas, e graças a seu poder de compatibilidade (visto que  qualquer tipo sanguíneo pode receber uma doação de RH nulo sem o risco de incompatibilidade por qualquer motivo), alguns cientistas já tentaram rastrear suas localizações para pedir amostras para testes diretamente.

Até mesmo uma doação de sangue desse tipo é extremamente analisada pelos diretores dos centros de pesquisas (esse tipo sanguíneo não fica em qualquer banco de sangue por ai), pois é extremamente raro e é praticamente impossível repor. Só são concedidas em casos realmente especiais.

Como nem tudo são flores, uma pessoa com fator Rh Nulo pode receber transfusões de sangue apenas de outra pessoa com fator Rh Nulo, e também tem que ter compatibilidade sanguínea equivalente, por isso, quando se tornam adultos, muitos são orientados a doarem sangues para si mesmo, caso precisem em um futuro distante.

Ser um floquinho de neve não é fácil.

Não podemos esquecer do mercado negro, que apesar de parecer meio fantasioso, essas pessoas são minas de sangue “dourado”. Já imaginou oque um traficante de sangue poderia fazer com uma pessoa que pode doar seu sangue para qualquer ser humano na face da terra? Pois é, eu não quero nem pensar.

Uma reportagem sobre o ISBT (Sociedade Internacional de Transfusão de Sangue) foi feita alguns anos atrás pelo site Mosaic e eu irei traduzi-la e trazer ela aqui para vocês. Esse instituto é responsável por guardar os sangues mais raros do mundo em seu acervo.

Ela revela mais sobre o famoso sangue dourado e a ISBT trata exatamente disso: Esconder, armazenar e estudar o sangue desses verdadeiros tesouros humanos.

Fontes:
Universidade Federal de Santa Catarina (Artigo em PDF)
Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa)
International Society of Blood Transfusion (ISBT)
International Blood Group Reference Laboratory (IBGRL)

Olá, eu sou um cortador de cana e escrevo esses e vários outros artigos, se gostou do que viu acima, acompanhe nossa página no Facebook e nosso perfil no Twitter para ficar atualizado sobre nossos posts. Caso goste de coisas de RPG e cultura Nerd, siga nosso perfil no Instagram para mais conteúdo. Obrigado pela leitura e até breve.

Matheus Silva

Matheus Silva

Auxiliar de cortador de cana em 1 Real a Hora
Eu não corto cana, mas é como se eu cortasse cana.
Matheus Silva