Distraint: Pocket Pixel Horror é um jogo indie de aventura e terror psicológico, estando disponível para IOS, Android e PC.
Este artigo contém spoilers sobre o jogo, recomendamos que jogue o jogo antes de ler.

Lançado no dia 21 de outubro de 2015, Distraint foi lançado com gráficos 2D desenhados em formato Pixel Art, aliado a uma trilha sonora interativa, que altera conforme você interage com determinados espaços do cenário e um estilo de cor cinza, criado por Jesse Makkonen, o jogo retrata os estilos dos anos 80/90 de uma forma agradável (Exceto pela música horripilante que fica tocando ao fundo).

A versão deluxe, pelo preço atual de 10,99 na Steam é colorida, mas não tão colorida o suficiente para tira o ar sombrio do jogo, relaxe.
A versão deluxe é a única disponível para android e custa 4,99. A mensagem é apenas um pedido de apoio ao desenvolvedor, que aparece sempre que você entra no jogo, mas pode ser jogada de graça, porém exibe anúncios de tempos em tempos (Que não chegam a ser abusivos, nem perto disso, na realidade).

Distraint veio com um história linear aparentemente simples, onde você controla um jovem ambicioso, Price, que almeja ganhar dinheiro e se tornar bem sucedido.
O jogo é a sua história e os seus arrependimentos.

O curioso é que o termo “Distraint” (ou Distress) é um termo designado para apreensão do imóvel em troca de pagamento de uma dívida.

Distraint é o termo equivalente ao nosso termo Arresto:”O arresto no Direito brasileiro consiste na apreensão judicial da coisa, objeto do litígio ou de bens do devedor necessários a garantia da divida líquida e certa cuja cobrança se promove ou vai promover em juízo”
Não traduzi o termo Distraint pois dependendo do sentido da frase, ele pode significar Despejo, Sequestro, Distração, Confiscar…

Bem, chega de aula, foco no jogo.

Você não precisará de mouse caso jogue pelo computador. O jogo é simples e linear, o jogo em si não é difícil, a única coisa que temos aqui é trabalho bruto e muita atenção aos balões de conversa e interação do personagem com os outros e o cenário do jogo, que vão lhe orientar de forma indireta ao próximo passo.

Price trabalha executando ordens de despejos contra clientes inadimplentes. Com isso, ele busca garantir um lugar de destaque entre os donos do escritório de advocacia onde ele trabalha, que dão nome a firma: McDade, Bruton e Moore

Price e cia

Mas após seu primeiro despejo, Senhora Goodwin, uma senhorinha gentil e atenciosa, ele percebe o quão caro custará seu sucesso.
Após um despejo, você receberá alguns sustos, com apagar de luzes e imagens bizarras.

Price no apartamento de Senhora Goodwin

Por um momento você pode pensar que o protagonista não tem nem um caráter ou compaixão e isso foi apenas peso de consciência passageiro, mas ao longo do jogo, sua psique mostram o quão culpado se sente executando cada ordem de despejo.

Price fugindo de sua consciência após despejar Senhora Goodwin

Seguindo o jogo, ao longo do caminho você começa a perceber o quão bagunçada é a mente de Price e a interação do personagem com o jogador, é maravilhosa, chegando a quebrar a quarta parede caso você saiba seguir o caminho correto.

Após o despejo de senhora Goodwin, Price começa a ter alucinações e conflitos dentro de sua cabeça, seus pais atuando como juízes de sua consciência que lhe orientam durante o jogo, lhe dando conselhos como você pode acabar destruindo sua humanidade caso continue neste caminho.

Mas nada disso o impede de seguir seu sonho.O segundo despejo é o do senhor Tailor, o senhor que vive em meio a uma floresta.

Price e Mrs. Tailor

Diferente de Senhora Goodwin, Mrs. Tailor não tinha dívidas, o motivo de seu despejo é pelo fato de que uma rodovia será construída no local. Sozinho, Mrs. Tailor não pode fazer nada além de aceitar a proposta pela sua velha cabana, mas antes, faz um pedido a Price: que encontre uma cadela, sua velha companheira que se perdeu na floresta.

Seguindo as pistas do jogo, Price encontra a cadela devorando as entranhas do que deveria ser o corpo de Senhora Goodwin e logo depois muda para a carcaça de um animal morto. Se você fez o caminho correto, conseguirá fazer a cadela voltar para seu dono.
Após isso, sua consciência (Elefante) voltará atrás de você, mas acaba caindo na ponte, que quebra com seu peso. É o fim dela, o que sobrou foram apenas restos.

Price pensa ser Senhora Goodwin

Após cada despejo, o trio (McDade, Bruton e Moore) se reúne o parabenizando, tentando mudar sua moral e ética, afirmando que o que você faz não é errado e lembrando, é claro, de como seu nome ficara bonito ao lado do nome deles.

Dade tentando confortar Price

Após isso, você dança com o trio antes de partir para uma visita no asilo para saber como está Senhora Goodwin. Essa parte eu irei pular pois é uma das minha partes preferidas e eu gostaria muito que vocês jogassem.
Mesmo que seja assustador. Horripilante. e Macabro. e faça vocês terem pesadelos a noite.

Após o segundo despejo, os conselhos de seus pais, ou sua consciência em forma de seus pais, se torna menos aconselhador, digamos assim, com seus pais passando a apoiar suas escolhas.

O terceiro despejo se torna um pouco menos impactante, tanto pela falta de consciência do personagem, quanto pelo próprio inquilino, que não se mostra nem um pouco interessado no imóvel, pois quer apenas uma festa de arromba para deixar o imóvel sem brigar.

O terceiro e último despejo de sua lista

O interessante neste terceiro ato, é que nele, você tem dois estados: Sóbrio e drogado.
Quando você está sóbrio, apenas algumas portas ficam abertas e drogado, apenas algumas passagens pelas paredes ficam abertas.

Não que olhar pra esse troço seja divertido

 

O tempo do estado drogado é curto e você deve jogar o mapa nesse estado para conseguir chegar ao inquilino, encontrando as pistas necessárias para obter sucesso, é a parte mais difícil do jogo e também a mais divertida.

Price no apartamento de Senhora Goodwin

Após o terceiro despejo, o jogo acelera um pouco e você recebe um telefonema: Senhora Goodwin faleceu.

Revoltado e cheio de culpa, Price decide ir para o escritório e anunciar sua desfiliação junto a firma. Após rodar por algumas horas e fazer alguns telefonemas, Price descobre um festa de arromba, onde conseguiu, finalmente, seu lugar ao lado de Mc. Dade, Bruton e Moore.
Com um lampejo de sanidade, Price tenta falar que anseia sair deste ramo, mas após ver uma placa escrita: Mc Dade, Bruton, Moore e Price, Price não resiste e a ganância fala mais alto.

Símbolo do sucesso de price…
Em matar sua humanidade

Após isso, o jogo volta com Price conversando com um jovem

Sua ganancia matando sua consciência

O jovem pergunta o que houve a partir deste ponto, Price revela que suprimiu seus sentimentos até não conseguir mais e acabar em ruínas.

Após contar sua história, o jovem se compadece, mas diz que precisa que Price saia do imóvel, Price lhe dá um conselho e que saia desta vida, para que não termine como ele, o jovem agradece e vai de maneira desajeitada até a porta.

Você fica sozinho e cumpre seu ato final, deixando deu último recado:
“Tudo que vem fácil, vai fácil. Foda-se”
Um barulho de um tiro. Tudo está acabado.
Você está morto. Na realidade, você nunca esteve vivo, esta não era a história de Price e seus erros, esta era a história de sua morte e seus pecados.

Price morto. Sim esse na cadeira, é você. Você estava morto desde o início do jogo.

Este artigo foi feito apenas para que você conheça um pouco sobre o jogo, pois existe uma notícia maravilhosa: o segundo jogo está sendo finalizado e será lançado ainda este ano.

Na Steam já existe um post na loja sobre o lançamento agendado para maio deste ano,  as expectativas para ele são animadoras, pois trata do verdadeiro lado humano de Price, um lado que, quem jogou o jogo, gostaria de ver. Mas não esperem um mar de rosas, o jogo ainda é de horror psicológico.
Um trailer já foi lançado no canal do criador do jogo, você pode assisti-lo clicando aqui.

Curta nossa página no Facebook e siga nosso perfil no Instagram.
Obrigado pela leitura e até a próxima.

Matheus Silva

Matheus Silva

Auxiliar de cortador de cana em 1 Real a Hora
Eu não corto cana, mas é como se eu cortasse cana.
Matheus Silva