Role-playing game, mais conhecido como RPG, é um jogo de representação onde jogadores criam ou recebem um personagem, um outro é o mestre do jogo (Dungeon Master) e a partir daí se cria uma jornada, uma história, uma narrativa, sendo um jogo colaborativo q.

O RPG é bem inconvencional quando comparamos aos jogos habituais. No teatro, você interpreta uma personagem de ficção, seguindo o enredo definido em um roteiro; já em um jogo de estratégia, você está seguindo um conjunto de regras onde, para vencer, você precisa ultrapassar desafios impostos por seus adversários ou certas situações.

Esse jogo conhece poucas limitações, mais precisamente à apenas o que os participantes puderem imaginar, e é ai que eu me questiono sobre o quão mágico e divertido esse jogo pode ser nas vidas de seus jogadores, me impulsionando a escrever este artigo.

Por mais que já tenha conhecido o RPG a alguns anos, nunca aproveitei as oportunidades de joga-lo por não compreender como o jogo era, achando em algumas situações até estranho por só usar a imaginação pra criar um mundo, um personagem e aventuras que vão além de qualquer realidade, seja em histórias medievais com espadas e escudos ou com histórias futurísticas com carros voadores e armas tecnológicas se limitando como disse anteriormente, ao que os participantes possam imaginar, mas nós já fazemos isso por muito tempo mesmo que não seja tanto um hábito quanto na época, na nossa infância. Crescemos imaginando mundos, até universos inteiros e sendo heróis (ou até vilões, por que não) em todo tipo de situação de perigo ou de ação, alcançando glórias, enquanto outros olhavam de fora, uma criança com uma tampa de panela ou de um balde e um pedaço de madeira ou cabo de vassoura, pra você ali era um escudo e uma espada, balançando contra seus inimigos e aquilo era mágico.

Não só isso, o jogo é capaz de se desenvolver junto com você, seja com histórias brutais ou intensas. Porém, seja qual for a circunstância, o jogo é incapaz de parar sua contribuição. O jogador é colocado em situações onde precisa saber reagir, bolar estratégias, criar todo um planejamento e interagir com outros jogadores, sendo este último um dos principais motivos deste texto, a interação entre os jogadores. Acabei descobrindo por mim mesmo, após meus jogos e jornadas, o quão impactante este jogo pode ser em minha vida social, já que acabei me permitindo conversar com outras pessoas, mesmo sendo desconhecidas, com uma liberdade que antes desconhecia.

 

Me aprofundando um pouco mais e correndo em busca de jogos e podcast sobre, tanto por gostar quanto pra aprofundar meu conhecimento, conheci canais no Youtube tais como Geek and Sundry que além de ter seus programas com vários rpgs, promove ações comunitárias, doações e até mestrando jogos para crianças, mostrando o quão bem esse jogo pode gerar até mesmo no desenvolvimento de jovens e crianças, além de divertir e criar laços entre si durante a aventura.

Tendo apenas coisas a adicionar, tirando a infinidade de opções e igualmente infinitas histórias a serem contadas, os jogos de rpg de mesa mesmo que pareça um pouco complicado de inicio, te oferece uma vasta liberdade pra ser, fazer e criar o que quiser, usar sua imaginação pra ter grandes glórias e se divertir, sempre fazendo uma história diferente, sempre adicionando boas memórias com seus amigos e sempre desenvolvendo em si mesmo também coisas que você jurava nem ser capaz de fazer.

Michael Almeida

Michael Almeida

Redator, gamer, dragonborn ranger e estudante de letras. Tenho vantagem em rolagens de conhecimento nerd e desvantagem em save de carisma.
Michael Almeida