Legends of Tomorrow é uma série da DC em parceria com a CW que começou em 2016 e, atualmente, está em sua terceira temporada. O seriado me deixou interessado desde que fora anunciado, porém só tive tempo de começar a assistir quando sua segunda temporada foi lançada na Netflix, então com isso a maratona finalmente rolou, e devo dizer que essa é a melhor série da parceria CW/DC. Ela é um derivado de Flash e Arrow que reúne personagens secundários de ambas as séries, sinceramente fiquei bem feliz com essa ideia, pois criei um apego enorme com a maioria dos personagens e achei eles bem mal aproveitados nas séries principais.

Resultado de imagem para legends of tomorrow rip

Na primeira temporada acompanhamos Rip Hunter, um ex-mestre do tempo, recrutando pessoas com habilidades únicas: Ray Palmer (Átomo), Dr. Martin Stein e Jefferson Jackson (Nuclear), Sara Lance (Canário Branco), Leonard Snart (Capitão Frio), Mick Rory (Onda Térmica), Kendra Saunders (Mulher-Gavião) e Carter Hall (Gavião Negro) para derrotar Vandal Savage e evitar a sua ascensão ao poder que, consequentemente, causa a morte de sua família. Para isso, eles embarcam na Waverider, uma máquina do tempo, com o intuito de caçar Savage em diferentes épocas da história.

Essa série acertou em tantos aspectos que nem sei como começar, mas vamos lá, o plot dessa temporada é sensacional, colocando os personagens em situações morais e que podem alterar completamente o tempo (coisa que Rip evita constantemente nos episódios). Tocando nesse ponto, a viagem do tempo na série é muito bem explorada, claro que tem alguns furos, mas é a consequência de se fazer algo que envolva viagem temporal. Durante toda a temporada vemos épocas como o Velho-Oeste (com a presença de Jonah Hex), Guerra Fria e por aí vai. Inclusive, tem umas referências bem legais como por exemplo Ray dando aula, nos anos 60, para Bill Gates. Tais menções também se estendem na segunda temporada. Os efeitos durante as cenas de ação estão bem medianos, porém isso vai melhorando de pouco em pouco com o passar dos episódios, e realmente dá pra ver que houve um investimento pesado nessa área. Uma coisa legal para se falar também é sobre como funciona a equipe, no começo eles julgam uns aos outros completamente e não conseguem trabalhar em equipe mas isso vai mudando conforme o tempo de convivência entre eles vão passando.

Imagem relacionada

A segunda temporada nos apresenta novos personagens para a tripulação da Waverider, além de introduzir a Sociedade da Justiça na trama. Mas, também tivemos a saída de certos personagens, como a Mulher-Gavião e o Gavião Negro. A série, que já era muito boa na temporada anterior, sobe absurdamente de nível em seu segundo ano. A trama começa exatamente de onde a primeira temporada terminou, com o fim dos mestres do tempo, a equipe de Rip precisa proteger a linha do tempo de todas as ameaças existentes, e agora com novos membros como o historiador Nate (Capitão Gládio) e Amaya (Vixen). O grande vilão da temporada é Eobard Thawne, Flash Reverso, vulgo melhor vilão das séries da DC. Junto com ele, temos Malcom Merlyn e Damian Darhk e o objetivo deles é encontrar a lança do destino, artefato capaz de reescrever toda a realidade. Isso tudo para trazer Thawne de volta a linha do tempo, afinal, ele parou de existir depois da season finale da primeira temporada de Flash.

Nessa temporada, houve uma mudança na estrutura dos episódios: cada um apresentava um caso diferente, o que melhorou bastante o desenrolar da história. Inclusive, temos bem mais referências do que antes, como quando a equipe encontra George Lucas, ainda estudando cinema, e J.R.R. Tolkien lutando na guerra (eles ainda brincam na série como se as lendas tivessem influenciado a história de Senhor dos Anéis), e esses são só alguns exemplos. Durante a temporada, Rip Hunter está desaparecido e a equipe precisa aprender a se virar, nisso, Sarah Lance vira capitã e isso foi uma jogada genial! Eles conseguiram desenvolver bem a personagem nesse quesito, mostrando ainda que ela é melhor do que Rip no comando. Sobre os vilões: Eobard Thawne e Malcom Merlyn dispensam comentários, continuam excelentes que nem nas séries originais, agora Damian Dahrk consegue se recuperar de seu fracasso na quarta temporada de Arrow. Inclusive, eles formam a Legião do Mal e ainda possuem um quartel general idêntico de Super-Amigos (santa referência). Os efeitos especiais melhoraram muito da primeira temporada para essa. Inclusive, a reconstituição de periodos históricos foi sensacional, tanto em efeito especial como no figurino dos personagens.

Foi muito bom ver como a série evoluiu, inclusive tudo o que não ousaram fazer em Flash durante sua terceira temporada, eles decidiram nessa série. Posso dar vários exemplos dessa ousadia, porém seriam spoilers da reta final então, deixa baixo. A season finale dessa temporada foi bem construída, abrindo várias opções de trama para a terceira temporada da série.

Em suma, Legends of Tomorrow é o grande acerto da CW e atualmente a melhor série da parceria entre a emissora e a DC. A cada episódio que eu assistia na Netflix, parecia que eu estava lendo uma página de algum quadrinho, e esse é o maior elogio que eu posso fazer a série.

A primeira e a segunda temporada podem ser encontradas na Netflix, enquanto a terceira está sendo exibida no canal da Warner e, talvez, ano que vem esteja disponível no serviço de streaming.

 

José Victor
Segue ae!

José Victor

Redator Chefe em 1 Real a Hora
Meu sonho é me tornar Hokage mas, enquanto isso não acontece, estudo odontologia e escrevo uns textos aqui pro site.
José Victor
Segue ae!