Esse ano a Netflix começou a apostar em todo tipo de série. Muito material original vem sendo lançado todos os meses. No meio disso tudo ela nos apresenta uma série em formato de documentário sobre pichação. Até ai tudo bem, seria mais um programa sem um diferencial que estaria só pra encher espaço no catálogo, se não fosse por um detalhe:

PICHAÇÃO DE PINTOS!!!!

isso mesmo! PINTOS!!!

O fato de pintos fazerem parte da discussão principal da série faz com que a maioria dos espectadores deixem de levar a série a sério, porém isso na verdade é apenas parte de um alivio cômico, já que os episódios nos mostram toda uma investigação séria envolvendo várias provas encontradas no decorrer das gravações.

O estudante Dylan Maxwell é acusado de cometer o ato de vandalismo, pelo fato de possuir o histórico de mal comportamento, além é claro do hábito de desenhar pênis nas lousas das salas de aula. Um aluno diz ter visto ele no local do crime, e a partir daí por não possuir evidências que provem o contrário, o jovem Dylan acaba por ser considerado culpado e é expulso da escola.

American Vandal surge com a suspeita de que Dylan está sendo acusado de algo que não fez. Durante os episódios, Peter Maldonado e Sam Ecklund, outros dois alunos da escola, seguem em busca da verdade e acabam por revelar muitos podres que não esperávamos de alunos e estudantes da escola Hanover.

Por possuir um tom bem diferente rolou muito preconceito por parte do público, eu felizmente continuei e não me arrependi, a série é muito bacana. Eu recomendo essa série para qualquer pessoa. Além de ser um documentário bem feito, é uma série bem divertida com situações capazes de arrancar risos de qualquer espectador. Os personagens são bem apresentados e em certos momentos te fazem se importar com eles. Houve até certas situações em que eu me identifiquei com o Dylan.

Yago Feitosa

Yago Feitosa

CO-CRIADOR DESSA BAGAÇA, EDITOR E QUALQUER OUTRO BICO QUE EU PRECISE SER.
Yago Feitosa