Em entrevista recente ao 1 real, Rafael Ribas, diretor do longa, afirmou ser desejoso que Lino fosse uma animação para toda família e não apenas para as crianças menores, como seu último filme, O grilo feliz, fora. Infelizmente, Lino-Uma Aventura de Sete Vidas funciona perfeitamente para as crianças que riram durante toda exibição, mas, apesar de existirem apelos ao público adulto mais velho, faltam ajustes para que seja um filme convidativo a todos os públicos.

O enredo conta a história de Lino, um animador de festa com idade por volta dos 26 anos que não aguenta mais a situação em que vive e principalmente a ridícula fantasia de gato a qual usa para trabalhar. Para tentar arrumar toda essa situação, Lino recorre aos ensinamentos do feiticeiro com ar de charlatão Don Leon que, sem querer, mistura os feitiços que acabam por transformar Lino em um “monstro” gato semelhante a sua odiada fantasia. Contudo, um pouco antes de sua transformação, a fantasia havia sido usada pelo vizinho de Lino, sem que esse soubesse, para que vários crimes fossem cometidos e a culpa recaísse sobre o nosso herói.

A animação do filme esta fantástica, tudo é lindo e a animação salta os olhos em vários momentos da trama. É digno de aplausos o trabalho visual que toda a equipe técnica teve, ainda mais quando se é levado em conta que estamos no Brasil e os produtores dispunham de uma verba ínfima e aparelhagens muito aquém de tudo o que um grande estúdio, mesmo em seus trabalhos menores, pode vir a ter. Atingir esse nível técnico-visual é um marco.

Existem várias referências no filme o que provavelmente são o maior apelo de toda animação ao público mais velho. O mestre de Don Leon é um ótimo exemplo de uma delas, o mago Henry Toper. Outra homenagem fica com a dupla de policiais atrapalhados Osmar e Melos (Os marmelos hehehe) que é uma clara alusão aos subordinados do chefe Wiggum, Lou e Eddie, de os Simpsons.

Lino e Don Leon em uma referência a He-Man

Contudo, grande parte do humor do filme é um tanto clichê, piadas um pouco manjadas e físicas (flatulências, quedas, sustos) são um apelo muito mais forte às crianças do que aos adultos. Acredito que este possa ser um dos principais defeitos do filme e onde os produtores terão que acertar para uma futura sequência.

A dublagem também peca um pouco. Algumas falas acabaram ficando fora de sincronia o que incomoda em alguns momentos. Entretanto merecerem destaque a ótima atuação de Selton Mello como Lino com seus “miaus” soltos nas falas e de a interpretação de Luiz Carlos de Moraes para o charlatão Don Leon.

O final do filme também foi algo que não me agradou muito. Ele acaba sendo bem clichê e existe uma desnecessária narração em off que dita a mensagem do filme ao público, algo que, ao meu ver, é completamente dispensável.

Lino-Uma aventura de Sete Vidas acaba sendo um programa muito bom aos pais que queiram aproveitar o feriado vendo uma animação leve e bonita com suas crianças, mas pode ser um tanto maçante ao público mais velho.

Lino-Uma aventura de Sete Vidas é uma produção da StartAnima e estréia amanhã, dia 7 de Setembro, nos cinemas de todo país.