Quando disseram que Death Note seria muito diferente do original, eu esperava que fosse uma releitura que não modificasse totalmente toda a história que conhecemos do mangá/anime e que não mudasse a personalidade de Light, L e outros personagens da trama. Infelizmente, eles mudaram bastante.

Antes de começar minha crítica, devo perguntar: é esse Kira que vocês querem?

Resultado de imagem para kira death note prom scene

 

Enfim, vamos falar da história. O filme gira em torno de Light Turner, que ao encontrar o Death Note se sente intrigado sobre como ele funciona (na adaptação, ele perdeu a mãe e o pai continua sendo policial). Ele faz sua primeira vítima e logo conhece Mia (a Misa versão ocidental), nisso ele já fala de primeira para ela o que é o Death Note e mostra como ele funciona. Com isso, os dois começam a se relacionar e a usar o caderno juntos e não demora muito para chamar atenção do melhor detetive do mundo, L e começar o conflito entre os dois. Em suma, a trama é isso. Possui um roteiro fraco, cheio de furos e que não funciona como uma adaptação e sim como um filme para adolescentes que passa na Sessão da Tarde.

Sobre os personagens: Kira, que era pra ser totalmente frio, calculista e inteligente, no filme é um adolescente mimado e bem idiota, visto que ele mostra de primeira pra uma desconhecida como funciona o caderno. Ele realmente só demonstra ser inteligente no final do filme, quando acontece o grande plot (que é a única parte boa por dois motivos: 1- O plot é bom; 2- É o final do filme). Um exemplo de como o Light foi ”idiotizado” nesse filme, é o primeiro encontro dele com Ryuk.

Mia é bastante chata e não tem personalidade, mas consegue manipular o Light durante uma boa parte do filme, bem diferente da Misa que conhecemos (que era manipulada por ele). se manteve fiel no seu jeito de agir, porém não explicaram o motivo do comportamento dele e isso fez o personagem parecer idiota durante o filme todo. Ele, assim como o Light, não possui a inteligência que demonstra na obra original e ainda possui uma cena entre os dois que eu não consegui digerir até agora: L correndo atrás do Kira com uma pistola estilo Exterminador do Futuro por meio de Seattle. Cara, no filme, ele mesmo diz ser contra o uso de armas de fogo e do nada sai correndo com uma na mão, pra quê isso? As atuações de Nat Wolf como Light, Keith Stanfield como L e Margaret Qualley como Mia são muito ruins, sério, além de terem modificado a personalidade dos três, ainda tem a atuação que consegue estragar mais ainda a experiência – não que já não estivesse ruim o suficiente, mas alguma coisa podia salvar.

Resultado de imagem para Ryuk netflix

Na verdade, tem uma coisa que consegue se salvar: a atuação de William Dafoe como Ryuk. O personagem em si também sofre bastante mudança, ele serve mais como um alívio cômico do que a figura sobrenatural que estamos acostumados. Mas, como eu disse, a atuação salva o personagem.

O filme realmente não funciona como uma adaptação, o roteiro é raso e só tem uma coisa boa nele: o plot final. É o único momento que demonstra o Kira como ele é, e infelizmente foi faltando 20 minutos para o final do filme, nesse tempo não dava mais pra salvar nada. A direção de Adam Wingard foi bem fraca, o filme pareceu uma sequência de Premonição, com mortes exageradas, sangue para todo o lado e efeitos horríveis. Como eu disse, a única coisa que se salva é o Ryuk (inclusive no CGI).

Em suma, a Netflix ensinou como NÃO se faz uma adaptação ocidental com Death Note. Mesmo após ver os trailers eu ainda tinha esperança de ser bom mas, infelizmente, foi pior do que eu esperava. Se você é fã da obra original, não perca seu tempo. Se você não conhece a obra, assista a animação ou leia o mangá que vale a pena. A diferença entre os dois é clara: enquanto o original nos mostra uma trama com personagens bem construídos e cheias de reviravoltas, essa adaptação só nos trouxe desgosto.

Nota: O diretor ainda quer fazer uma continuação e, segundo ele, só depende da Netflix. Então, Netflix, nos poupe e se poupe dessa vergonha. Você merece mais do que isso.

Adaptada do mangá de Takeshi Obata, a história gira em torno do jovem Light Turner (Nat Wolff), estudante brilhante que não sabe o que fazer com seu futuro até o dia em que encontra o Death Note. Ele descobre que pode adicionar nomes ao caderno, causando a morte de tais pessoas, e logo decide se livrar de vários criminosos. Seus atos, no entanto, despertam a atenção da polícia e Light começa a ser seguido por um perigoso homem.

Infelizmente, Death Note está disponível na Netflix.

José Victor
Follow me

José Victor

Estudante durante o dia, Redator Chefe do 1 Real de noite.
José Victor
Follow me