O anime que foi baseado na light novel escrita por Reki Kawahara ganhou sua estréia em 2011, porém apenas esse ano eu tive a oportunidade incrível de conhecê-lo.

Com uma temática que aborda a influência dos jogos eletrônicos na vida do ser humano, Sword Art Online cativa o público com um enredo dividido em duas fases. Na primeira fase nós conhecemos nosso protagonista Kirito e seu grande amigo Klein, ao ficarem presos em um jogo de realidade virtual, os dois dependem de escolhas para sobreviverem em um mundo onde sua morte ocasiona não só a morte do jogo mas sim a morte no mundo real. Durante a primeira parte nós também conhecemos Asuna (dona do anime basicamente) e várias outras personagens que se juntam ao Kirito para enfrentar os monstros de todos os andares, pois só assim todos os jogadores serão libertados.

Por mais que o nosso protagonista insista em dizer que é um jogador solo, a amizade entre seu grupo é muito bem trabalhada, mostrando que nenhum tipo de jogador solo conseguiria passar pelos obstáculos, com uma mensagem muito importante sobre fraternidade.

O relacionamento entre Kirito e Asuna é muito bem trabalhado, usando valores e temáticas simples que se encaixam perfeitamente, não é algo sexualizado ou forçado, apenas flui durante toda a temporada.

 A segunda parte da temporada já nos apresentam um novo jogo e novas possibilidades, porém ficou algo muito superficial e fraco. Levando em conta que os 15 primeiros episódios são incríveis, muito bem trabalhados e com um encerramento esplêndido, a segunda parte do anime se torna monótona.

Com poucos fillers, o anime surpreende em entregar o material que nos foi prometido. Levando em conta o fracasso de roteiro da segunda parte, o anime se torna incrível apenas com 15 episódios.

Com um total de 25 episódios, Sword Art Online é uma aventura inesquecível e certamente um dos melhores animes do gênero. Personagens carismáticos e temas muito bem trabalhados também são o prato cheio dessa aventura.

Ynaê Couvo