Vagabond, de Takehiko Inoue conta a história de Shinmen Takezo, que se torna o maior Samurai da história do Japão, Miyamoto Musashi. Além de contar a história de uma pessoa que realmente existiu na Era Feudal Japonesa, é uma incrível jornada de um Samurai que tem o principal objetivo de ser o mais forte de todos. E o mais impressionante disso tudo, é a excelente arte que o mangá possui.

2565981141879814223728355604

Com uma dose de violência incrível e uma história pesada e densa, Vagabond te coloca dentro de uma jornada violenta em busca da força maior. O uso do bico de pena para desenhar o mangá adiciona o tom pesado do traçado para poder impactar certas cenas. Assim, o mangá se torna uma obra de arte que deve ser apreciada com um cuidado incrível para perceber cada nuance do traço do autor e como ele monta cada cena. Cada quadro desse mangá é uma bela obra de artes que só vai melhorando com o tempo. O pouco que já foi lançando no Brasil (o mangá está sendo lançado pela Panini mais uma vez, agora em formato idêntico ao Japonês) mostra que a aventura de Miyamoto Musashi em seu caminho para se tornar o maior Samurai já vivo é algo a ser admirado, lido e apreciado.

1461979783593387958966405094

Para você que vai na onda de Berserk, Gantz, Elfen Lied e outros animes e mangás adultos, Vagabond é um mangá que mescla elementos históricos com uma arte tão incrível e ao mesmo tempo sangrenta. Musashi tem um caminho de transformação de um rapaz descontrolado e inconsequente em uma figura icônica e histórica do Japão. A trama em si é algo que até agora é simples e muito bem executado, que é caminhar pelo Japão enfrentando Mestres de Dojos e estilos diferentes para provar sua força e sua capacidade como um Samurai, aprendendo também a controlar sua fúria e seus demônios interiores para conseguir então trilhar o caminho da espada da forma certa. O mangá se passa em alguns momentos nesses capítulos inciais na floresta, com isso, os detalhes de sombra, folhas e árvores é absurdo. Uma das coisas que me impactou e me fez querer falar sobre o mangá, é do quão bem desenhado ele é. São poucos os mangás lançados atualmente quem tem uma arte tão adulta, tão pesada assim saindo no Brasil. Por isso que Vagabond é um ponto fora da curva e que te cativa desde a primeira edição quando você começa a conhecer os personagens, que também são tão interessantes quanto o principal, porém eles só servem como um plano de fundo para movimentar a história de transformação dele. E vale a pena demais acompanhar o caminho de Takezo para se tornar uma das maiores lendas da história do Japão.