Traduzido e Reescrito por Tiago Amorim
 
Hoje
vamos falar de um dos escritores mais estranhos e peculiares da história, um ícone da literatura de terror, mestre de
seu gênero (juntamente com E.A. Poe), o criador de uma nova mitologia, no
século XX, Howard Phillips Lovecraft. Com o tempo eu também gostaria de fazer
uma série analisando suas histórias. Mas, primeiro, vamos ver algumas passagens
e curiosidades interessantes de sua vida:
Desde sua infância, Lovecraft tinha tendências diferentes aos de outras crianças
de sua idade. Sua mãe, que o deixou incapaz de jogar com seus amigos, porque
ela considerava-os de “categoria inferior” ou “classe
baixa”, o deixava isolado dos outros e lhe dizia que “aquilo era muito feio” e que nunca levaria a nada. Com uma atmosfera tão deprimente, e com tão
pouco apoio de seus pais, começou a ser normal para o pequeno Howard andar
pelos bosques de madeiras escuras e cavernas de seu playground. Lá, sozinho,
ele dedicou-se a deixar que sua imaginação pensasse sobre fadas e extraterrestres
(elementos que então inaugurariam seus romances). Enquanto outras crianças
estavam praticando esportes ou lutando, ele estava empenhado em fazer
representações históricas ou ler.
Como
esperado, o jovem Lovecraft sempre amou literatura: Aos dois anos já recitava
poesias, podia ler aos três anos, e escrever aos seis. Aos cinco anos tinha
lido uma adaptação de “Ilíada” e “As Mil e Uma Noites “.
Seu gênero favorito era o policial, passatempo que o levou a criar, aos treze
anos, uma agência de detetives chamada “Providence Detective Agency”
(Providence era sua terra natal). No entanto, esse jogo o cansou rapidamente e
voltou à literatura.
O Chamado Do Cthulhu é uma de suas mais famosas e enigmáticas histórias
Diz-se
que quando ele começou a descobrir a mitologia clássica dos romanos e gregos,
edificou altares a deuses como Ártemis, Apolo e Saturno. Sempre influenciado
pela fascinação que tinha por eles. Graças a esses deuses, Lovecraft teve a
inspiração para muitas de suas criaturas mitológicas.
Com
apenas 16 anos, ele tinha em mente cometer suicídio devido à morte de seu avô, o
membro da família que ele teve maior contato. Lovecraft vivia como um eremita, que
morava sozinho com sua mãe, e pensando em estudar astronomia. No entanto, ele
nunca teve esse objetivo, porque, infelizmente para ele (e felizmente para
todos os fãs de Lovecraft), ele se saiu muito mal em matemática.
Ao
longo de sua juventude, ele iria adquirir os traços que mantêm o resto de sua
vida. Por exemplo, ele declarou ateu com apenas cinco anos, influenciado pela
literatura que lia; ele desenvolveu um forte racismo (acredita-se que este
aspecto seria reforçado quando, enquanto vivia em Nova York, por não conseguir
um emprego enquanto os imigrantes conseguiam); Tinha medo do mar, odiava-o,
possivelmente por causa de envenenamento por conta de um pescado (na verdade, se
você perceber direito, a maioria dos monstros vem do mar); odiava a luz, e à
noite é que ele realizava suas mais diversas atividades, como ler, escrever e passear;
e desconfiado da humanidade, apesar de ser um pacifista, pensava que a guerra
era algo que deve acompanhar a humanidade até o seu fim (talvez para provocar
um fim). Isso é tão assustador e filosófico que algumas pessoas pensam até hoje
que Lovecraft sempre soube o segredo da humanidade.
 
Mesmo
aos 37 anos, sua personalidade e costumes depressivos foram se acentuando ainda
mais. Ele gostava de passear na noite solitária, visitando cemitérios, como se
fosse um fantasma. Ele amava a solidão, seu ambiente fantasmagórico e
assustador. Durante este período, ele publicou algumas de suas obras mais
importantes, coincidindo com uma de suas fases mais emocionalmente tristes.
Além
disso, ele começou a sentir uma sensibilidade estranha a baixas temperaturas
(aspecto que certamente vem de seu caráter doentio). Era muito desconfortável,
quase insuportável, estar em um lugar que tinha menos de 20 °.
Durante
seus últimos anos seu caráter doentio cresceu, a aquisição de uma desnutrição
grave. Lovecraft morreu em 15 de março de 1937, devido a um câncer intestinal.
 ” Não
está morto aquele que pode eternamente jazer,
 embora, em estranhas eras¹, até a morte virá a
morrer “
¹  “Eras”, neste caso foi a tradução que deram
para Éons, a maior subdivisão de tempo em escala
de tempo geológico.
1 Éon equivale a 1 bilhão de anos, porém é quase nunca
utilizado pela comunidade científica
Além disso, deve-se notar, como uma curiosidade final que Lovecraft nunca
publicou um livro, mas sempre enviava contos para jornais e revistas. Passados
quase 30 anos depois de sua morte, era necessário começar a reconhecer o
trabalho de Lovecraft e livros foram publicados com as suas obras. Isso foi
possível graças a um grupo de escritores que ajudaram Howard, um grupo chamado
“The Circle of Lovecraft”. Graças a seus seguidores, seus trabalhos
sobreviveram até hoje.
Fontes: Wikipédia 
Traduzido e Reescrito de El Busto De Palas